quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Fiat revela série especial 500 by Diesel

Fiat revela série especial 500 by Diesel
Compacto tem acabamento exclusivo e novo motor 1.3
Por Vitor Matsubara | 27/01/2010
Após ter sido tingido de rosa pela Fiat inglesa na série especial Pink, o pequeno 500 ganhou mais uma edição limitada na Europa.
O 500 by Diesel foi apresentado em um dos maiores eventos de moda em Berlim, na Alemanha, e foi criado para o público jovem e descolado. O compacto leva o nome da grife de roupas famosa por seus jeans exclusivos.
Em relação ao modelo que foi lançado em 2008 (com o mesmo nome), o compacto exibe uma cor especial – batizada de Midnight Indigo – e a segunda geração do motor 1.3 Multijet movido a diesel.
O propulsor de 95 cv possui tecnologias como o sistema start-stop, que desliga o motor automaticamente enquanto ele não é exigido, como em semáforos. Além do 1.3 Multijet, o 500 by Diesel pode ser comprado nas motorizações 1.2 (69 cv), 1.3 Multijet (75 cv) e 1.4 de 16 válvulas (100 cv).
O visual exclusivo é composto por itens como as rodas de 16 polegadas, as pinças de freio pintadas na cor amarela (apenas para a versão 1.4) e detalhes pintados em um tom exclusivo de prata. A tampa traseira conta com um aplique em prata que simula entradas de ar.
Internamente, o revestimento dos bancos e painéis de porta tem uma cor escurecida, muito semelhante com a tintura utilizada nas calças jeans, e costuras na cor amarela. As referências à edição especial também aparecem na manopla de câmbio e até no painel.
A Fiat afirmou que vai produzir 10 mil unidades do 500 by Diesel, sendo que 6 mil já foram encomendadas.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Lançamento do novo Fiat Uno promete ser um dos eventos mais badalados do ano

O lançamento do Fiat 500, em 2007, na cidade italiana de Turim, foi um dos eventos mais badalados do fabricante nos últimos tempos.Na época a cidade parou com vários eventos acontencedo pela cidade tendo como destaque a chegada do pequeno modelo.
Guardadas as devidas proporções, o fabricante estuda fazer algo semelhante para marcar a chegado do novo Uno. Se a ideia for para frente resta saber qual será a cidade escolhida. A ideia é programar diversas atividades culturais tendo o Uno como destaque. O fabricante quer associar o modelo a modernidade,  para isso, deve colar a imagem do modelo a produtos modernos como iPod, iPhone. O modelo deverá ficar exposto em vários shows, raves e outros eventos culturais.
A chegada do modelo é prevista para o mês de abril, sendo que o modelo já está pronto para sua fabricação em escala industrial.Visualizar
Projeção Autos Segredos

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Fiat Strada Trekking 1.8 sai de cena para a chegada da Sporting

A Fiat já não comercializa mais a Strada Trekking com motorização 1.8 Flex, agora a versão Trekking só tem a opção do propulsor 1.4 Flex. O modelo já foi retirado do site do fabricante. O fim da versão se justifica para abrir espaço para a versão Sporting que já está em produção e deverá ser comercializada nas próximas semanas. Apesar de já ter sido apresentada oficialmente em dezembro, o modelo circula pela fábrica com um plástico branco para esconder sua frente e sua traseira, conforme  o flagra. A versão esportiva deverá ser a despedida do propulsor 1.8 que ao longo de 2010 será substituído pelo 1.6 16V Tritec. O Siena Sporting também se encontra em produção que teve início no dia de hoje.

Fotos Fiat/Divulgação e Marlos Ney Vidal/Autos Segredos

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Fiat Palio ELX Dualogic aposta no conforto com câmbio automatizado

A Fiat não está só interessada em fazer com que o Palio continue como seu modelo mais vendido. Mais do que isso, a marca italiana quer ocupar todos os espaços dentro do segmento de compactos e preencher uma brecha deste disputado mercado que ainda é pouco explorada. Esse é o objetivo da versão top de linha ELX Dualogic 1.8 Flex.
O Palio 1.8 com câmbio Dualogic (no destaque, a alavanca) começa em R$ 38 mil
A configuração que oferece câmbio automatizado atende um "subnicho", com marketing focado no conforto, já que o sistema dispensa pedal de embreagem. E faz a diferença dentro da versão ELX 1.8, já que 70% das unidades vendidas são equipadas com o Dualogic.
Só que, para desfrutar da caixa robotizada, é preciso pagar pela versão mais cara e com motor mais potente dentro da gama ELX do Palio.
O modelo parte dos R$ 38.030, mas com o apelo de oferecer o mínimo de conforto para o trânsito na cidade grande. Seu único concorrente direto também só oferece transmissão automatizada na versão top e com motor maior. Trata-se do também recém-lançado Gol 1.6 i-Motion, que na versão top, a Power, custa R$ 39.110.
O grande trunfo da versão é mesmo a caixa robotizada. Ela possui cinco velocidades e permite a troca de marchas de maneira automática ou manual, de forma sequencial. O câmbio da Fiat, desenvolvido pela FPT (Fiat Powertrain Technologies) em parceria com a Magneti Marelli (a mesma do i-Motion), chegou ao mercado em 2008 no Stilo e depois passou a ser aplicado no Linea. Recentemente chegou à gama Palio (incluindo Siena e Palio Adventure), além do Idea Adventure.
O câmbio Dualogic acompanha a conhecida motorização 1.8 8V (exceto a do Linea, com propulsor 1.9 16V). São 112 cv com gasolina e 114 cv com etanol, alcançados completamente aos 5.500 giros. Apesar de ser propagada como uma das mais completas da linha, na versão ELX Dualogic destacam-se como itens de série apenas computador de bordo, direção hidráulica e alerta de limite de velocidade.
A unidade testada, no entanto, apareceu com farta lista de equipamentos disponíveis como opcionais. Ar-condicionado, travas e vidros dianteiros elétricos levam o modelo a R$ 41.900.
Ele pode receber ainda airbag duplo, freios com ABS, retrovisor elétrico, rodas de liga leve, rádio/CD/MP3 com entrada para USB e spoiler traseiro esportivo. Assim, chega a R$ 48.988.
Com a frente do Siena ELX, o Palio ELX 1.8 Dualogic aparece com o visual mais recente da linha: grade frontal com moldura cromada e faróis de dupla parábola. É verdade que o design não traz linhas surpreendentes, mas a Fiat aposta é numa dose de conforto com preço competitivo.
Ainda que esse conforto seja a simples ausência de um pedal de embreagem.

Fonte: Auto Press

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

A redução do álcool na gasolina prejudica o motor?

O governo acaba de anunciar que, a partir de 1º de fevereiro, a gasolina terá 20% e não mais 25% de álcool anidro, medida que vai durar três meses, podendo ser adiada ou atrasada. Isso pode afetar o funcionamento do motor?

Segundo o engenheiro mecânico da oficina Motor Max, Rubens Venosa, essa diminuição de álcool anidro na gasolina não afeta os modelos flex, já que eles se adaptam ao combustível que estiver no tanque. "O que pode acontecer é que ficarão um pouco mais econômicos e com partida mais fácil.", explica Venosa. "No caso dos carros a gasolina, mesmo os mais antigos, essa mudança terá efeitos parecidos com os modelos equipados com motor bicombustível, que aceitam álcool ou gasolina em qualquer proporção", completa.

"A diferença é que esses modelos precisam de uma proporção de álcool anidro como antidetonante,que antigamente era o nocivo chumbo tetraetila. E nos importados, que foram feitos para rodar com gasolina sem álcool haverá mais economia e melhor rendimento, precisando pisar menos no acelerador para o carro mostrar agilidade" finaliza.

Fonte Autoesporte

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Governo anuncia redução da mistura de etanol na gasolina

O governo anunciou nesta segunda-feira a redução da mistura do etanol anidro na gasolina, de 25% para 20%, para tentar evitar uma crise de abastecimento e amenizar a disparada de preços.

A nova mistura, que terá validade de 90 dias, começa a valer em 1º de fevereiro.

Na última quinta-feira (7/1), durante a divulgação da safra de grãos 2009/2010, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou que a medida agora divulgada seria "uma boa hipótese".

"A lei define o percentual em 23%, mas o governo tem uma margem para atuar entre 20% e 25%. É possível que na segunda-feira (hoje) alguma medida seja aprovada, mas é importante ressaltar que ela seria pontual", afirmou o ministro.

Stephanes disse à Agência Brasil que, caso o percentual de álcool misturado à gasolina fosse reduzido, essa diferença representaria cerca de 100 milhões de litros de etanol a mais disponíveis no mercado por mês. Esse volume equivale a aproximadamente 7% do consumo dos veículos flex no período.

Segundo Stephanes, a partir de março, a quantidade de cana-de-açúcar colhida deve ser superior às previsões anteriores e suficiente tanto para a fabricação do álcool anidro, adicionado à gasolina, quanto para o álcool hidratado (etanol).

O ministro ressaltou que o problema de oferta de álcool é conjuntural e não estrutural, causado pelo excesso de chuvas no ano passado, que atrapalharam o trabalho das máquinas na colheita da cana e fizeram com que cerca de 60 milhões de toneladas do produto deixassem de ser colhidas. Como as usinas devem antecipar a colheita para março, um mês antes da época normal, em pouco mais de três meses a situação da oferta deve ser resolvida.

(Com informações da Reuters, do Valor e da Agência Brasil)


Fonte Redação UOL